Vereadores de BH votam contra a transparência

E enquanto o senado vai esquentando o forno e salpicando orégano, os deputados não estão nada melhores. E como se não bastasse, os vereadores mineiros estão querendo dar uma de “come quieto”, ou melhor, “rouba quieto”.

Contas públicas devem ser públicas. É o básico do básico. Mas…

“A Câmara Municipal de Belo Horizonte rejeitou na quinta-feira o Projeto de Lei 01/2009, que obrigava o Legislativo a prestar contas de todos os seus gastos, entre eles os vencimentos e jetons dos vereadores, as despesas com as verbas indenizatórias e os salários de todos os funcionários de carreira e também comissionados. O projeto precisava do apoio de 21 dos 41 vereadores, mas somente 16 votaram a favor da proposta. Outros oito vereadores se abstiveram de votar e 17 não compareceram ao plenário, entre eles a presidente da Câmara, Luzia Ferreira (PPS). A votação estava marcada desde a semana passada.

O texto original propondo a divulgação de todos os gastos começou a tramitar em 2005 e era de autoria do ex-vereador Carlão Pereira (PT), que não disputou as eleições passadas. Em abril, o projeto da transparência chegou a ser aprovado por unanimidade pelos vereadores, que acabaram mudando de ideia no segundo turno, na tarde de quinta-feira.”

Fonte: UAI – Vereadores de BH votam contra a transparência.