Só votam na Dilma porque são ignorantes e recebem Bolsa Família!

Não estou certo se isso é um argumento ou um grunhido mas, para não fugir ao espírito democrático, vamos ao debate.

Desde o triste comentário do FHC sobre os eleitores da Dilma, tem circulado alguns memes mostrando que os estados onde ela ganhou têm maior percentual de Bolsa Família e menos escolaridade. Não sei se as informações são corretas, mas não vejo porque não.

Pois é, números são números, fatos são fatos. Pensando assim, o título deste post está “cientificamente comprovado”. Ou não?

Bom, infelizmente não poderei votar porque estou estudando estatística em Portugal e esqueci de fazer as burocracias do voto com a devida antecedência. Mas queria aproveitar para deixar minha pequena contribuição ao debate, falando um pouco (só um pouquinho, não fuja!) de estatística.

Suponhamos que os dados estão certos e que na maioria dos estados (exceção do RS, por exemplo) em que a Dilma ganhou haja menos escolarização e mais Bolsa Família. Isso significa que estão votando na Dilma por ignorância e interesse pessoal?

Não necessariamente, e não é difícil entender por que. Trata-se do velho problema de confundir correlação com causalidade, de que já tratei outras vezes, aliado à técnica do “sujeito oculto” (em estatística, dizemos “variáveis não incluídas no modelo”).

Está faltando uma informação nessa explicação: os estados onde há menos escolarização são também os estados mais pobres. Em “estatistiquês”, isso quer dizer que existe uma forte correlação entre grau de escolaridade e condição econômica.

Levando em conta essa informação, qualquer uma das seguintes afirmações pode ser igualmente verdadeira.

– Votam na Dilma porque recebem Bolsa Família

– Votam na Dilma porque têm menos educação escolar

– Votam na Dilma porque são mais pobres

Aliás, também se tornam possíveis essas outras afirmações:

– Recebem Bolsa Família porque são mais pobres (o que faz todo sentido, aliás)

– São mais pobres porque têm menos escolaridade

– Têm menos escolaridade porque são mais pobres

E por aí vai…

No fundo (ou seja, fazendo estatística corretamente, sem querer enganar ninguém), nenhum destes “porquês” pode ser demonstrado usando esses dados. Eles nos permitem dizer que certos fatos estão relacionados, mas não nos garantem que é uma relação de causa e efeito. Ou seja, partindo dessas informaçóes, só podemos falar de correlação, não de causalidade.

Acho esse caso bastante didático pra pensarmos a relação entre política, argumentação e ciência.

Usando os mesmos dados, alguns dizem que a maioria dos eleitores do PT é gente ignorante que vota por interesses pessoais imediatos, enquanto outros defendem que são as classes excluídas reconhecendo um governo que lhes favoreceu mais do que governos anteriores. Estatisticamente, partindo desses dados, as duas explicações são possíveis. Vai do gosto de cada um. Só não venham dizer que foi “provado cientificamente”.