Seria a glândula Pineal uma antena que capta os espíritos?

A antiga tese de Descartes é revisitada por psiquiatra, mestre pela USP.
Veja abaixo um trecho do artigo “Novas descobertas sobre a Glândula Pineal”, de Sérgio Felipe Oliveira:

“Foi descoberto que a Glândula Pineal integra o relógio cerebral e é responsável por todos os ritmos no organismo, por exemplo: os ritmos da reprodução hormonal, do funcionamento do sistema nervoso autônomo , dos ciclos da vida até o envelhecimento , do sono e os ritmos reprodutivos , os da fome e ainda do estado de humor.

Foi descoberto também, que a Glândula Pineal é um sensor magnético convertendo ondas do espectro eletromagnético em estímulo neuroquímico.

Ainda assim, o que se pensava ser uma calcificação por perda de função é, na verdade , um interessante e complexo processo de biomineralização em que são formados cristais de apatia possivelmente implicados na regulação da captação magnética.

Também, a Glândula Pineal é importante estoque de serotonina no cérebro, substância amplamente implicada nos comportamentos psíquicos . Não bastasse as importantes funções citadas, há uma regra conhecida em neuroanatomia , indicando que quanto mais irrigada por circulação sanguínea uma área do cérebro maior é sua importância e funcionamento: a Glândula Pineal é a estrutura mais irrigada do cérebro.

A Glândula Pineal deve ser o melhor laboratório de estudos da física da relação espírito- matéria , e suas propriedades de captação de ondas do espectro eletromagnético devem estar implicadas nas funções de sensopercepção mediúnica e telepática.”

Retirado de [pesquisapsi] Considerações sobre a Glândula Pineal.