Sarney usa truque baixo de ilusionismo no seu discurso de defesa

Ilusionismo, sofismo, retórica de botequim, ou como se diz no basquete, o truque do “corta luz”.

Sarney aproveitou que havia duas pessoas com nomes parecidos, e se defendeu falando de uma enquanto estava sendo acusado pela outra. Das duas uma: ou a assessoria de Sarney é incompetente, ou foi realmente um truque muito baixo para o momento tão solene do discurso de nosso excelentíssimo ex-presidente.

A denúncia é feita por Leandro Colon, no Estado de São Paulo, e repassada pelo Noblat:

Sarney alega que “Rodrigo Miguel Cruz” é o nome que aparece na representação protocolada pelo PSOL (…) “É este que está relacionado na denúncia do PSOL, que se baseia em O Estado de S. Paulo”, afirma Sarney.

Não é bem assim. A representação do PSOL não cita nenhum “Rodrigo Miguel Cruz”. Refere-se, na página 4 do texto, a “Rodrigo Cruz” (…) ele é a pessoa que se casou com Mayanna Maia, filha de Agaciel Maia, no dia 10 de junho. Sarney foi padrinho do casamento. Rodrigo Cruz foi nomeado por ato secreto em 19 de janeiro de 2006.

Leia tudo aqui – Documento contradiz versão de Sarney – Ricardo Noblat: O Globo.