Cientistas japoneses dizem ter dado o primeiro passo para “ver os sonhos” medindo o cérebro

É o que diz a BBC.

“Pesquisadores japoneses conseguiram com sucesso processar e visualizar imagens simples diretamente do cérebro humano com a ajuda de um software, no que poderá ser o primeiro passo para se fazer um registro visual de sonhos.”

Será que poderemos ver os sonhos dos outros numa tela?

Como de costume, os cientistas conseguem um resultado x, e deduzem que é possível chegar a mil vezes x. Tecnicamente, isso se chama raciocínio indutivo (e não dedutivo) porque a conclusão é maior do que os dados disponíveis. Ou seja, é incerta, é apenas uma possibilidade.

Em seu livro “O erro de Descartes”, Antonio Damasio mostra um experimento parecido, onde conseguiam ver, no cérebro de um animal, certa imagem geométrica que seus olhos estavam observando. Isso já faz tempo. Imagens geométricas, simples, quando apresentadas aos olhos, formam padrões parecidos com elas nos córtices visuais primários. Aí podemos olhar pro cérebro e saber o que a pessoa está vendo.

Ou seja, se no futuro nossos sonhos forem bem óbvios e simples, talvez o computador possa vê-los em nosso cérebro (e fazer uma imagem dele para nós, que somos estúpidos e não lembramos). E talvez o computador nem precise treinar para entender cada cérebro individualmente (como foi feito nesse experimento), caso a gente seja bem parecido um com o outro. É o ideal da cultura do consumo, cultura de massas, sei lá o que. Pessoas simples e superficiais, previsíveis, agindo conforme as tendências, enfim, cada um satisfeito e feliz com sua vida de inseto.

Talvez mais importante do que pensar em quão inteligentes serão os computadores do futuro, é cuidar de nossa própria inteligência.

Serão os computadores ferramentas adequadas para se ver sonhos? Afinal, qual é a diferença entre “ver” e “detectar”? Perceber e medir?

Porque certamente a neurociência detectará cada vez mais coisas que consideramos só nossas, privadas, trancadas de maneira segura no fundo de nossa alma. O que isso significa? O que faremos com isto?

Muitas perguntas pra hoje…