Cientistas descobrem parte ‘altruísta’ do cérebro

Esse é o título exato da matéria da BBC. Sensacionalista? Certamente, embora talvez nem pareça…

Vejamos o método para detecção de altruísmo:

Os participantes do estudo foram questionados sobre a freqüencia de seu engajamento em tarefas beneficentes, como trabalhar para uma instituição de caridade. Depois, precisavam jogar um videogame criado para avaliar o grau de altruísmo do usuário.

Os videogames em questão rendiam prêmios em dinheiro para eles ou para uma instituição de caridade, que eles previamente tinham escolhido em uma lista.”

Será que madre teresa jogava videogames? Ou, em outras palavras, essa é uma forma válida de separar as pessoas em mais ou menos altruístas?

Bem, de qualquer forma, correlações foram encontradas, o que em geral quer dizer alguma coisa. Interpretar correlações é uma arte.Quais foram as correlações?

Aqueles que se descreveram como sendo “altruístas” tinham respostas mais fortes no sulco temporal – o que poderia indicar a tendência para um comportamento altruísta

Se observarmos bem, a frase acima é redundante ou pouco informativa. Veja só como se seguem 3 palavras que relativizam a conclusão “poderiam”, “indicar”, “tendência”. Esta é a linguagem científica.

E a mídia? Os cientistas analisam o cérebro de algumas pessoas jogando videogame, e já aparece a manchete do título. A união entre ciência e mídia é uma coisa impressionante!

Aliás, se tem uma parte altruísta do cérebro, quer dizer que todo o resto dele é egoísta? Será que a neurociência não está beirando a tão criticada antropomorfização os fenômenos naturais? Ou é tudo uma questão de tradução mal feita pelos meios de divulgação?

E ao final, em que a neurociência contribuiu, com tudo isso, para a compreensão do altruísmo? O que o sulco temporal tem a ver com a bondade humana? Será que seu tecido e conexões apresentam alguma propriedade especial?

Diz o artigo:

“O pesquisador Scott Huettel explicou que “mesmo que a compreensão da função cerebral não identifique necessariamente o que faz com que alguém aja como a Madre Teresa, pode dar pistas sobre as origens de comportamentos sociais importantes como o altruísmo

Pois é. E fica a questão. Agora a gente continua rezando pra Madre Teresa, ou devemos orar para seu cérebro?