Acabei de aprender a fazer mapas no R, é muito divertido. O primeiro que fiz foi esse aí, dando cores à renda per capita dos estados brasileiros. Fiquei impressionado com o pontinho vermelho no meio do amarelão. Brasília destoa do Brasil.

Brasília é nosso Versalhes, refúgio dos poderosos, ornamentado a ouro, feito de suor e sangue. Agora estamos vendo uma pequena parcela do que rola por lá, de como o pontinho vermelho se mantém vermelho. Mas jajá fecham os vazamentos de novo, e tudo volta à normalidade. Esperamos que não, não essa normalidade anormal.
Mapa-BR_renda

Para contribuir com o álbum duplo “Fora Temer”, em plena gestação nas melhores quebradas, fizemos um axé pot-pourri parodiando uma das melhores bandas do gênero. Com vocês:

Banda Refluxosvomito

Temer não vai ser legal
baixe o mp3 aqui

Rodrigo Travitzki e Zé Vicente
part. esp. Carolina Borelli

Temer, Temer, Temer
não vai ser legal

Diz povão se é legal ou se não

Apesar dele mesmo se chamar de vice decorativo
por baixo dos panos Michel aparece como solução
PMDB desde as Diretas Já parasita o poder
e a bancada da Bala, do Boi e da Bíblia continua ali
a crescer eeê

Amigos, é pior do que se imaginava
acabaram com a corrupção, mas só de quem interessava

Temer, Temer, Temer
não vai ser legal

Fim da Lava Jato
Não vai ser legal
Terceirização
Não vai ser legal
Acabar com o Minc
Não vai ser legal
Vender o pré sal
Não vai ser legal

Aê, manda engavetar tudo
Aê, agora a política é engavetar
Aê, já fechou até a CGU
Porque agora a política é engavetar

Ê faraó
é bolsa dondoca liberada
Ê faraó
é bolsa moradia pro juiz
Ê faraó
acima do teto ele vive
Ê faraó

E nada, nada, nada olha o Cunha aê
bandido, bandido ê

picareta mor

Temer, Temer, Temer
não vai ser legal

iê ê ê, rasga a CLT
Iá á á, trabalha mais sem ganhar
iê ê ê, rasga a CLT
iá á á, deixa a crise pra lá
vai trabalhar

E a lava jato?
manda engavetar
Conta na suíça
manda engavetar
mulher no ministério
Temer vai vetar
Reforma política
Temer vai vetar


Participaram deste vídeo, voluntaria ou involuntariamente:
Rodrigo Travitzki
Zé Vicente
Carolina Borelli
Ricardo Zollner
Michel “golpista” Temer
Eduardo “manobra” Cunha
Janaína “louca”
Charles Chaplin
Maitê Proença
Michael Jackson
William Bonner
Família Dinossauro
Zacarias
Ramsés II
Frank Underwood
Maria Bonita

Estão dizendo tanta coisa sobre o impítima que fica difícil escrever algo novo. Aproveito então para compartilhar o vídeo que, na minha opinião, explica a situação de forma bem didática e, inclusive, tropical. Juca Kfouri usa a metáfora do futebol para mostrar que há erros mais graves do que outros.

A questão não é chamar de golpe ou não, mas deixar claro que ESSE IMPEACHMENT não é correto, do ponto de vista democrático.

#NãoVaiTerGolpe

O pior vai ser se toda essa crise “terminar” e não houver nenhuma reforma minimamente profunda voltada para o combate à corrupção. Porque é importante tratar os sintomas, mas as causas são o que importa a longo prazo. E o pensamento a longo prazo é uma das coisas que nos faz humanos, não é verdade, por que desperdiçar essa dádiva da natureza?

Tá bom, você pode dizer “cara, você é muito otimista, é óbvio que vai terminar tudo em pizza”. E provavelmente você está certo. Tive essa preocupação enquanto lia dois artigos do El País sobre o surrealismo político que vivemos nesses dias.

Um fala sobre o populismo jurídico de Sergio Moro e sua inspiração em uma operação policial italiana que só tratou os sintomas, deixando as causas da corrupção como estavam:

Moro nunca escondeu suas inspirações. O juiz da cidade paranaense de Maringá, de ascendência italiana, escreveu longo artigo sobre a Operação Mani Puliti (Mãos Limpas), realizada na Itália na década de 1990 e que terminou com dezenas de políticos presos, mas não com a reforma do sistema político italiano. No texto do juiz formado no Paraná e com estudos em Harvard, um ponto central da argumentação era o caráter estratégico do apoio popular numa investigação desta envergadura. Pode-se ver claramente como isso foi utilizado nos 24 meses de Lava Jato, tanto por Moro quanto pelos procuradores que lideram a investigação. As inúmeras fases da operação foram acompanhadas de coberturas igualmente monumentais. Na maior parte dos autos e delações não havia sigilo e a imprensa poderia ser alimentada diariamente com novos desdobramentos. Gil Alessi: “Sérgio Moro, de ídolo anti-PT à berlinda por ‘populismo jurídico’”

Peixes grandes, apoio popular, cobertura da mídia, delações e vazamentos. Qualquer semelhança não deve ser mera coincidência.

O outro artigo fala da falência do PT e de Lula, mas não pelos motivos normalmente evocados:

O problema do PT não é a crise econômica, a desordem internacional ou sequer o fato de o partido ter participado do processo político brasileiro com os seus históricos e anteriores mecanismos de corrupção interna. O problema é ter feito parte disso e não ter politizado o problema, não ter buscado uma solução, não ter proposto reformas. Tales Ab’Saber: “Impeachment artificial faz Brasil abrir fraturas expostas a cada dia”

Não seria lindo se o governo fizesse agora um super pacote anticorrupção como resposta à crise? Bom, na verdade, ele já fez em 2013. Voltou a propor no ano passado. Algumas leis do pacote, inclusive, estão zanzando pelas gavetas do congresso desde 2005.

Mais informações sobre o pacote anti corrupção (re)proposto pelo governo Dilma e engavetado pelo congresso: http://g1.globo.com/politica/noticia/2015/03/dilma-encaminha-ao-congresso-nacional-pacote-anticorrupcao.html

PS: obrigado ao querido Tadeu Lara, que me mostrou o link acima, contrariando minha noção anterior de que o governo não tinha proposto nenhuma reforma mais profunda nas causas da corrupção.

O que é Filosofia Tropical?

A Filosofia Tropical é um movimento emergente de cunho neo iluminista, semi perspectivista,  que busca contribuir para a exuberância, a diversidade e a vida do pensamento. É chamada tropical por estar ao lado da vida e da diversidade. E porque quase toda a filosofia que conhecemos vem das zonas temperadas do planeta.

Ao filósofo tropical não interessam as ideias que só levam a outras ideias, guardando longínqua conexão com o mundo e a vida de onde vieram. É fácil perder-se neste tipo de filosofia, onde só se discute a própria filosofia.

Ao filósofo tropical também não interessam ideias que precisam estar sozinhas para sobreviver. Afinal, ideias de girico só permanecem no tempo quando isoladas de outras ideias, vivendo em seu mundinho protegido, alimentado pelo medo da dúvida e pelo apego à certeza.

O pensamento padronizado e as ideias de girico estão para a Filosofia Tropical como o bosque e o vaso estão para a floresta amazônica. Tipo regra de 3.

Música e filosofia

Buscando encontrar seu próprio nicho no ecossistema global das ideias, alguns filósofos tropicais desenvolveram uma forma própria de pensamento, intimamente ligada às linguagens ancestrais do homem: a música.

Você já se viu cantarolando uma música o dia todo e, quando se dá conta, ela diz exatamente aquilo que você precisava ouvir? Já teve grandes epifanias enquanto escutava um verso envolto em sons? Já tentou expressar sentimentos profundos em linguagem filosófica/acadêmica, sem qualquer resquício de sucesso?

Tudo isso aponta para a mesma direção. A música é uma excelente forma dos homens tocarem a essência de sua natureza. É, portanto, uma excelente forma de conhecimento.

Pois então, o primeiro postulado anti euclidiano desta linha filosófica deriva de uns poucos versos do polêmico Caetano Veloso na música “língua”:

POSTULADO 1:

Se você tiver uma ideia incrível
é melhor fazer uma canção
está provado que só é possível
filosofar em alemão

Ouça a música para entender melhor a ideia

A palavra de ordem é crise. De vez em quando, fatos levam a usar um “apesar da crise“, mas o mote permanece. Claro, estamos mal, ok. Mas é prudente notar que, alguns anos atrás, o espírito coletivo – se é que existe algo assim – habitava o extremo oposto da auto confiança. Estávamos na crista da onda, mesmo no meio de uma crise econômica mundial.

Pois bem, acabamos descobrindo que estávamos um pouco errados antes. Resta saber: estaremos também um pouco errados agora? Afinal de contas, por que ficamos oscilando deste jeito obsessivo depressivo na macroeconomia do imaginário nacional? Será que levamos muito a sério os economistas? Será que levamos pouco a sério? Será que esta loucura emocional beneficia alguém?

Creio que pensamos muito a curto prazo no Brasil e isso dificulta as coisas. No curto prazo, tudo oscila rápido, nada permanece o mesmo, não há memória, não há acúmulo, não há perspectiva, há apenas dúvidas, incertezas, e daí nos embrenhamos nas brechas do sistema, no jeito malandro de pegar um bocadinho para si, entre a ida e a volta de um processo inútil e opaco que “faz parte do sistema”.

No curto prazo, o problema é o Cunha, é o PT, é o PSDB, é o Bolsonaro. Mal chegamos a discutir o problema de médio prazo, como por exemplo, sei lá, o PMDB. E o que falar então dos problemas de longo prazo, que tem a ver com as regras, instituições, os modos das coisas acontecerem neste território do planeta.

Nestas comemorações de solstício em ano apocalíptico, desejo a todos a agradável sabedoria de que os conceitos, embora úteis, são apenas conceitos e que a vida flui ao nosso redor com todos os seus mistérios e encantos.

Toda a ação tem sua reação. O pouco de “progresso” que tivemos recentemente gerou essa onda de “regresso” que tem dado tanto desgosto nos últimos meses. Na mira desta reação reaça estão quase todas as minorias (exceto, claro, o 1% de cima) e, curiosamente, uma maioria: as mulheres.

O machismo não tem o menor sentido e, ao mesmo tempo, está presente em praticamente todos os nossos costumes e instituições. Esse movimento todo do #primeiroassedio me impressionou bastante, porque a coisa é muito mais corriqueira e profunda do que imaginamos, ou queremos imaginar. Está sendo uma experiência, digamos, didática, ler minhas amigas relatando casos de assédio, às vezes com pessoas conhecidas, aparentemente “confiáveis”. Sinto imensa vergonha pelo gênero masculino, mas ao mesmo tempo não consigo evitar a sensação de que sou parte disso de alguma forma, seja rindo de uma piada, usando uma certa palavra, enfim, o machismo opera de forma silenciosa.

Por isso é bonito ver esse “movimento feminista” todo em reação ao avanço da direita de Cunha, seus comparsas, seus pagadores, e também seus eleitores. Aliás, adorei a manifestação das mulheres na última sexta feira. Aquele coro semi soprano, muito mais afinado, e com letras mais limpas, sem xingar a mãe de ninguém. Coisa fina, elegante 😉

meme machista tosco

E claro que, como reação a este belo movimento, a direita reage reativa, como é de sua natureza – veja o meme tosco ao lado. Por mim, nem daria bola para este meme, mas o fato é que vi ele no perfil de uma pessoa muito próxima. Por algum motivo, resolvi “responder” assim, publicamente, porque eu acharia impensável receber um meme desse de uma pessoa tão próxima, tão boa gente. Mas recebi. O mundo me surpreende, mas continuo tentando conversar com ele (o mundo).

Não sei bem se a pessoa compartilhou isso como “piada” ou como “expressão política” ou como “revolta pelo patrimonio público”, mas na verdade não importa muito. É apenas mais uma face incompreensível do machismo nosso de cada dia.

Pois bem, vamos ver o que a imagem nos diz. Ela nos diz que há uma ironia envolvendo os dois eventos na catedral da Sé. Eu traduziria a imagem, na cabeça dos que gostam dela, assim: as feministas reclamam dos homens e pixam a propriedade alheia, mas nesse mesmo lugar uma mulher foi salva por um homem. A ironia, portanto, busca mostrar que na verdade o feminismo não tem razão de existir (pois o homem protege a mulher), e inclusive é nocivo pois estragou um símbolo de São Paulo.

E por onde começar uma resposta a este tipo de pensamento, onde quase tudo está errado? Dá uma preguiça.. mas pra simplificar, resolvi fazer um “contra-meme” resgatando as informações malandramente ocultadas do leitor.

machismoidiota-contrameme

Sendo um otimista, tenho o curioso dom de ver coisas boas no mais fétido esgoto. Pois bem, a única fagulha de positividade que consigo ver nesse meme é o respeito à propriedade alheia, que é um princípio ético importante. Mas não é o único. Eu não pixaria a catedral da Sé e não acho certo que pixem. Gosto de uma cidade bonita. Mas quem se importa demais com vidraças e pixações pode estar perdendo o foco das coisas. Há pessoas vivendo na cidade, há muita violência, às vezes fatal, e há uma luta no campo do simbólico que não é de se desprezar, muito pelo contrário.

Veja bem, não é qualquer propriedade alheia, é uma igreja. Aliás, a principal igreja de São Paulo. A recente manifestação das mulheres tem como foco um projeto de lei que, na prática, dá ao estuprador o direito de ter um filho com qualquer mulher que queira. Esse absurdo incompreensível tem origem em debates sobre aborto e só está na câmara porque foi impulsionado por fundamentalistas religiosos – justamente no momento em que são colocados contra a parede por corrupção.

Mas muita gente não se dá conta do aspecto simbólico das manifestações. Outro caso parecido aconteceu no protesto contra a chacina de índios que está rolando de forma bizarra nos últimos meses. O pessoal terminou jogando tinta vermelha numa estátua na frente do parque Trianon. Contei para um familiar e ele mostrou séria preocupação… com a estátua suja! Nada de índios, nada de saber quem era o sujeito na estátua, apenas a tinta no patrimônio alheio. Bom, no caso, a estátua era de um bandeirante, acho que não preciso continuar, né?

Já falei demais. Hoje a semana é delas.

Viva as Simones e o bom voar!
(não resisti ao trocadilho)

Viver na cidade de São Paulo é uma experiência antropológica sui generis, se você tiver tempo pra se dar conta. Sua carteira vive em crise, enquanto os preços das coisas que você gosta são “de primeiro mundo”. Aliás, a única coisa em São Paulo mais barata do que em Barcelona é o cafezinho.

Aí fico me perguntando que raios de crise é essa? De onde vem? Pra onde vai? Quem se ferra? No andar de cima, tudo parece fluir na mais perfeita harmonia. Pra dar uma ideia da bizarrice do abismo, colei uns trechos de reportagens que achei bem impressionantes. Veja a seguir, são todas notícias de 2015!

2015: sem crise no andar de cima

“A fidelidade de clientes da classe alta ajuda a equilibrar as contas de vários estabelecimentos voltados para a elite paulistana, que conseguem manter bons números apesar do mau momento econômico do país. Dados da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes apontam para uma queda média de 13% no faturamento do setor em São Paulo no primeiro trimestre de 2015, ante o mesmo período do ano anterior. Mas a agenda de reservas do A Figueira Rubaiyat, lotada até janeiro, indica que por ali tudo anda muito bem, obrigada.” http://www1.folha.uol.com.br/saopaulo/2015/10/1694834-elite-paulistana-mantem-habitos-e-faz-de-estabelecimentos-ilhas-sem-crise.shtml

“Mesmo em meio à turbulência vivida pela economia brasileira e que pode levar o país a registrar a primeira recessão após a crise mundial de 2009, existe um setor que não deixou de crescer este ano: o bancário. Enquanto a indústria recuou mais de 6% no primeiro semestre e o comércio registrou a maior queda nas vendas desde 2003, o lucro dos bancos bateu recordes. Somados, os ganhos dos quatro maiores bancos cresceram mais de 40% no primeiro semestre, na comparação com os primeiros seis meses de 2014.” http://g1.globo.com/economia/negocios/noticia/2015/08/mesmo-diante-de-crise-lucro-dos-bancos-nao-para-de-crescer.html

“Em 2016, 1% mais ricos terão mais dinheiro que o resto do mundo” http://www.cartacapital.com.br/economia/oxfam-em-2016-1-mais-ricos-terao-mais-dinheiro-que-resto-do-mundo-8807.html

“Se fosse aplicado um Imposto sobre Grandes Fortunas (IGF) aos 200 mil contribuintes mais ricos do país, como tem defendido a bancada do PT no Congresso, o governo poderia arrecadar até R$ 6 bilhões por ano, segundo estudo feito no Senado a pedido da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR). O valor é semelhante à economia que o governo pretende obter, por exemplo, com a revisão das normas para a concessão do seguro-desemprego, uma das principais medidas do pacote fiscal.” http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2015/05/1633608-levy-barrou-taxacao-de-grandes-fortunas-projetada-por-mantega.shtml

“Os bancos na América Latina parecem ter encontrado a fórmula dos sonhos no mundo dos negócios: ganhar cada vez mais dinheiro, mesmo em tempos de vacas magras.” http://g1.globo.com/economia/noticia/2015/09/como-bancos-latino-americanos-continuam-lucrando-muito-apesar-da-crise.html

“Em ano de ajuste fiscal, o Senado começou a renovar a frota de carros que atendem aos parlamentares e reajustou o valor pago pelo serviço. Os Renault Fluence usados nos últimos dois anos por 81 senadores –o presidente, Renan Calheiros (PMDB-AL), utiliza ainda um segundo veículo– estão dando lugar a modelos Nissan Sentra zero quilômetro.” http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/09/1679199-em-ano-de-ajuste-fiscal-senadores-recebem-novos-automoveis.shtml

“Maridos e mulheres de deputados terão direito a passagens aéreas. Eduardo Cunha diz que vai cortar outras despesas para manter gastos como estão.” http://g1.globo.com/bom-dia-brasil/noticia/2015/02/camara-dos-deputados-aumenta-verba-disposicao-de-deputados.html

“os salários reais do Judiciário ultrapassam – e muito – o teto constitucional dos funcionários públicos. Há 32 tipos de benesses, inventados para engordar os contracheques de suas excelências. Não é ilegal.” http://epoca.globo.com/tempo/noticia/2015/06/juizes-estaduais-e-promotores-eles-ganham-23-vezes-mais-do-que-voce.html

“Em campanha por um reajuste salarial médio de 59,5% em análise no Congresso, o Judiciário é o Poder com maior gasto médio por servidor na ativa na esfera federal” http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/05/1632910-tribunais-mantem-o-maior-gasto-por-servidor-na-esfera-federal.shtml

“Outra mordomia dada no Judiciário é o auxílio-celular. Somando os custos com o benefício no Tribunal de Contas da União (TCU), no Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (TRT-RJ) e no Tribunal Regional Eleitoral do Rio (TRE-RJ), o custo é de R$ 1,3 milhão por ano. Só no TCU, os gastos chegam a quase R$ 1 milhão por ano, ou R$ 82,3 mil por mês. Têm direito ao benefício 104 servidores e 19 autoridades, com cifras variáveis de acordo com o cargo: vão de R$ 465,03 a R$ 1.395,10 por mês. O maior salário do tribunal, sem benefícios, é de R$ 23,8 mil.” http://oglobo.globo.com/brasil/uniao-gastara-38-bi-com-pagamento-de-pensoes-vitalicias-filhas-de-militares-este-ano-17566422#ixzz3owBkiit8

“Câmara gasta R$ 1 milhão por sessão noturna só em extras de servidores” http://g1.globo.com/globo-news/noticia/2015/09/camara-gasta-r-1-milhao-por-sessao-noturna-so-em-extras-de-servidores.html

Veja também notícias anteriores a 2015

“As pensões a filhas solteiras de funcionários públicos consomem por ano R$ 4,35 bilhões do contribuinte – e muitas já se casaram, tiveram filhos, mas ainda recebem os benefícios” http://epoca.globo.com/vida/noticia/2013/11/filhas-de-servidores-que-ficam-solteiras-para-ter-direito-bpensao-do-estadob.html

“Juízes do Paraná devem receber “aumento” no auxílio-moradia após decisão do STF” http://www.gazetadopovo.com.br/vida-publica/juizes-do-parana-devem-receber-aumento-no-auxilio-moradia-apos-decisao-do-stf-ee5yedendw8wv2nuetyhvv61a

“Reclamar dos impostos é hábito comum da elite brasileira. Mas uma comparação internacional mostra que a parcela mais abastada da população não paga tantos tributos assim. Estudos indicam que são justamente os mais pobres que mais contribuem para custear os serviços públicos no país.” http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2014/03/140313_impostos_ricos_ms